Câncer de próstata pode ser detectado precocemente?

Screening (os rastreamento) é a aplicação de avaliações e testes para encontrar o câncer em pessoas antes mesmo de manifestarem qualquer sintoma, o que aumenta as chances de cura da doença.


O câncer de próstata muitas vezes pode ser encontrado antes que os sintomas apareçam através de um exame feito no sangue, chamado antigénio prostático específico (PSA). 

Outra maneira de encontrar o câncer de próstata é o exame de toque retal, no qual o médico examina a próstata através da introdução do dedo indicador com luva lubrificada pelo ânus. Isso porque a prósata tem grande proximidade com a parede da porção final do intestino, o que facilita o exame de forma rápida.


Caso um desses testes descritos acima levantam alguma suspeita da presença da doença, uma biópsia da glândula pode estar indicada.


Não há dúvida de que a triagem pode ajudar a encontrar muitos tipos de câncer de próstata ainda na fase inicial, mas ainda há dúvidas sobre se os benefícios do rastreio superam os riscos para a maioria dos homens. Uma vez que em alguns casos, formas muito pouco agressivas da doença são detectadas, que provavelmente não nunca levariam ao surgimento se sintomas ou trariam risco à vida do homem.


É evidente que há prós e contras para os testes de rastreio do câncer da próstata em uso hoje.


Neste momento, a American Cancer Society, a American Urological Association e a Sociedade Brasileira de urologia recomendam que o rastreamento para o câncer de próstata deva se basear em decisões bem informadas sobre os riscos e benefícios do tratamento precoce. 


No Brasil, a recomendação é o inicio do rastreamento aos 50 anos em todos os homens. Naqueles que possuem fatores de risco (raça negra e ter um parente de primeiro grau que manifestou a doença antes dos 50 anos) o rastreamento inicia aos 45 anos, com a dosagem do PSA e o exame retal (o toque retal).


Para saber mais sobre o rastreio do câncer da próstata e as diretrizes atuais visite o site da Sociedade Brasileira de Urologia