Os testes para câncer de próstata

A maioria dos cânceres de próstata são primeiramente encontrados durante a triagem com o exame do PSA e um exame de toque retal. 


Entretanto, em estágios mais avançados são por vezes encontrados através do surgimento de sintomas, como dor, sangramento ao urinar ou retenção urinária.


Se há suspeita de câncer, a coleta de fragmentos da próstata (uma biópsia) pode ser necessária para confirmar o diagnóstico.


A história médica e exame físico


O médico conduz a avaliação à procura de sintomas urinários, sexuais e possíveis fatores de risco para a doença, incluindo sua história pessoal e familiar. Também procederá com um exame físico completo, que inclui o exame retal (o toque retal).


O toque retal é um exame rápido e que adiciona muitas informações importantes. É feito através da introdução do dedo indicador lubrificado, protegido com luva, através do ânus. Dessa forma, o médico avalia a forma e textura da próstata, à procura de irregularidades e possíveis nodulações. 


O exame de sangue, o PSA, é usado de forma complementar ao toque e serve para detectar alterações na próstata em homens sem sintomas. 


A maioria dos homens sem câncer da próstata têm níveis de PSA inferiores de 4 nanogramas por mililitro (ng / ml) e a chance de ter câncer de próstata aumenta conforme os níveis de PSA se elevam.


Quando o câncer de próstata se desenvolve, o nível de PSA geralmente vai acima de 4ng/ml. Ainda assim, é importante deixar claro, que um nível abaixo de 4 não garante que um homem não tenha chance de desenvolver a doença. 


Cerca de 15% dos homens com PSA abaixo de 4 terá câncer de próstata em uma biópsia, mesmo sem qualquer sintoma.


Um em cada 4 homens com PSA entre 4 e 10 poderão receber o diagnóstico de câncer de próstata se submetidos a uma biópsia. Se o PSA é maior do que 10ng/ml, a possibilidade de ter câncer da próstata é superior a 50%.


Ao considerar a possibilidade de indicar uma biópsia da próstata, nem todos os médicos usam o mesmo ponto de corte de valor do PSA. 


Alguns podem aconselhá-lo se o PSA é 4 ou superior, enquanto outros podem recomendá-lo a partir de um nível mais baixo, como 2,5 ou 3. 


Isso porque, outros fatores como sua idade, raça e história familiar, podem afetar esta decisão.


O teste de PSA também pode ser útil se você já tiver sido diagnosticado com câncer de próstata.


  • Nos homens que acabaram de receber o diagnóstico da doença, o teste de PSA pode ser usado juntamente com os resultados do exame físico e grau do tumor (Grau de Gleason) para ajudar a decidir se são necessários outros testes (tais como tomografia computadorizada ou cintilografia óssea).


  • O teste de PSA é uma parte do estadiamento (avaliação da extensão da doença no corpo) e pode ajudar a dizer se o câncer ainda está confinado no interior da próstata. 


  • Se o nível de PSA está muito elevado, é provável que algumas células foram enviadas para outros órgãos além da próstata. Essa informação pode afetar a opção de tratamento a ser escolhida.


  • Testes de PSA também são uma parte importante de monitorar câncer de próstata durante e após o tratamento 


Ultrasom transretal

Para este teste, uma pequena sonda é colocada no reto, através do ânus. A sonda emite ondas sonoras que entram na próstata e criam ecos que são captados de volta, para serem processados em um computador, gerando uma imagem em preto e branco da próstata.


O procedimento muitas vezes leva menos de 10 minutos e é feito em hospitais ou clinicas especializadas. O exame é feito com anestesia local e com sedação (medicação que faz com que você durma durante o exame).

O procedimento não requer uma internação e você é liberado no mesmo dia para casa.